domingo, 28 de fevereiro de 2010

verbo desejar

desejo de se desejar quem se deseja.
desejar quem se ama e se quer. tão simples isto afinal.

canto do desencanto.

desencanto? em quanto e como?
desencanto do canto?do cantar do outro que afinal já nada nos diz, ja nada nos faz ouvir e por isso em já nada nos prende.
desencanto foi,  assim como o encanto vem.
não ha logica, não ha equaçao, não há explicaçao. terá de haver aceitaçao. isso é o que mais custa. o desencanto do outro por nós, dá-nos um trabalho: o de perceber que aquilo em nada tem de ver connosco, é clara e basicamente um problema do outro. do outro que deixa de se encantar. do outro que nem percebe, nem quer preceber, que perdeu o desencanto e o que isso implica. por causa da nostalgia, em forma de consciencia pesada. pesada mesmo. cobrança interna sem tom nem som.
mas a vida é assim. obriga-nos ás vezes a partir. a deixar o certo, pelo incerto inseguro, mas em tanto verdadeiro....e a verdade quando é mesmo, não se compadece....
concluir? so o tempo. só o tempo deixa as coisas poisarem. e cairem por si. a espera do tempo é a consciencia da sabedoria...assim nos vamos deixando ir...com uma luzinha de esperança que mora la dentro e está lá. está la sempre mesmo que tao esquecida...porque as vezes até isso da mais jeito. 
um dia sim. um dia sim.

papagaios de papel

adoro a ideia de estar empoleirada em ti.
empoleirada de suspensa, e suspensa em total leveza por saber que me aguentas, como um suporte estanque, forte, amarrado e seguro onde me posso empoleirar para voar e ver o desenho do mundo num angulo que só tu me ensinaste ser possivel.
tambem podia ser a ideia de um papagaio de papel...cujo fio em nylon é inquebravel, embora quase invisivel..tu seguras o fio enquanto eu voo, e te digo em segredo o que senti pelo que vi...é assim estar empoleirada em ti. obrigada por me segurares as pontas.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

amor desencontrado, coração lixado.

escrevo para elas que sentem e escrevem a por o coraçao ao alto.
capacidade esta de exprimirem  com direito e  legitimidade, o que lhes toca, o que as angustia, o que querem, e os seus sonhos. tempo bom este em que vivemos. tempo de verdade absoluta no que toca á linguagem do coração, que se traduz em palavras proximas. sem legendas, sem batotas, sem curvas. estão ligadas elas, sim a coraçoes doutros tamanhos e formas que provalvemente não entendem a linguagem a que elas se referem. desintonias. desencontros. desconforto. desgosto.desfazamento. 
venho para lhes exemplificar, que um dia vem. um dia vem que chega a medida certa no bater do coração..estranho é,até porque esses dias chegam mesmo, quando ja nada esperamos. 
eu sei que sim e por mim falo. elas assistiram e sabem e viram, e me sentem também. 
a medida do tempo, é o tempo sem medida..e saber estar em verdade é o passo mais importante. o do acordo, o da fidelidade ao coração que sente,como sente, e imutavelmente bate, bate sempre todos os dias. até ao dia que bate em sintonia total com outro igual.  esse dia vem mesmo. para nunca mais ninguem o tirar de nós. é também assim a vida.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Hipotecar o que se sente. Nas palavras que ficam por dizer...

fundo mesmo


ás vezes ela nao sabia como pegar. ás vezes ela fazia aquela cerimonia por causa do não excesso, so para não estragar. as vezes era isso, guardava as palavras do que sentia dentro de si, para ali ficarem, sem ninguem as adivinhar.de certa forma ela sabia, que entao essa historia era só dela. uma especie de medo e respeito dela pelo outro,a  fazia calar, guardar lá dentro, como se poupasse as acçoes em segredos. mas assim era,que tambem nada esperava. porque no fundo do fundo não se é igual.e era irresistivel sentir, que dizendo ou declarando, era como se o obrigasse a corresponder..isto ela sabia que era tudo o que não queria. então esperava não esperando que as palavras viessem do outro lado espontaneas, cheias de espaço, num tempo que ainda se podia aceitar...porque tambem no fundo do fundo acreditava porque decidiu acreditar.

é assim.

Era uma vez uma vida mais pequena, o meu mundo, encolhido, controlado e teorico da solidão. Um dia o meu mundo deixou-se escolher. As suas feridas foram tocadas, conhecidas, beijadas e levadas dali para uma superficie. Nao que tenham desaparecido ou que se tenham deixado de sentir, mas foram reconhecidas. Nesse dia, fora do calendario da vida de todos os dias, confiei-te e confiei-me . Nesse dia o meu lado esquerdo, o do coração, escolheu-me em ti e deixei-te passar.
Esse dia dura ate hoje.
Por causa de dias assim foi criado um outro dia para a vida de duas pessoas que se confiam. Porque ha um espaço que tem de ter lugar, hora marcada e uma promessa. Uma promessa para o ilegivel depois. Um dia na vida de duas pessoas onde se chega mais perto de um misterio. Uma ilusao que começa por um balanço diario e nao mais que duas maos, que se dao e que se embalam rua acima, rua abaixo, para o melhor e para o pior.
Ha um dia na vida de duas pessoas em que o sentido ganha a forma de porta por onde seguem as almas, misteriosas biografias humanas, que as cegas atravessam um corredor em forma de ilha.
Ha um dia na vida em que nao passamos ao lado do nosso melhor lado, olhamos, olhos nos olhos, fechamo-los e deixamo-nos cair de costas no infinito das linhas das maos que amamos.
Ha um dia em que escolhemos o nosso lugar.


Beijos sem fim amor meu. Tua c.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Nao adianta contrariar. As coisas e as historias mudam mesmo. Talvez porque se instalam e acomodam.
Mas eu quero continuar a sonhar, porque tambem assim voo...

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

The Blowers Daughter

yes you are.

I Am A Simple Man


So I Sing A Simple Song


Never Been So Much In Love


And Never Hurt So Bad At The Same Time.


I Am A Simple Man


And I Play A Simple Tune


I Wish That I Could See You Once Again


Across The Room Like The First Time.


I Just Want To Hold You I Don't Want To Hold You Down


I Hear What You're Saying And You're Spinning My Head Around


And I Can't Make It Alone.


The Ending Of The Tale


Is The Singing Of The Song


Make Me Proud To Be Your Man Only You Can Make Me Strong


Like The Last Time.


I Just Want To Hold You I Don't Want To Hold You Down


I Hear What You're Saying And You're Spinning My Head Around


And I Can't Make It Alone.


amor é

amor é quando a gente mora um no outro...dai sentirmo-nos em casa.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

gosto muito daquilo que é meu.


ha coisas que sabemos na vida que vieram para ficar. ha coisas que por tudo e nada na vida , nao dispensamos mais, porque viver sem isso, é como se tirassem de nós, o que mais gostamos em nós. ha coisas nesta vida que vieram directamente do céu. era mesmo para ser assim. nada nem ninguem podia contestar. nada nem ninguem podia evitar. é por tudo isto e mais que sei que vieram para ficar. céu na terra. como posso nao te ficar?

compendio de quem sabe da vida.


posso dizer que sei, que sabes da vida muito.

tens a bagagem toda para escrever um compendio. mestrado em vida, experiencia com asas,

(ás vezes sem elas).

por causa do que ela nao te poupou e te trouxe. mas tambem muito pela alegria. pelos ataques de riso que veem do fundo de ti e contagiam-me a mim.

da mestria colho o teu melhor: A ENORME DIGNIDADE. de quem assobia, muitas vezes sem ar nem folego. mas assobia na mesma porque assobiar tambem é cantar.

ensinaram-nos isso minha querida, e isso veio para ficar. e ainda bem.

a tua verdade incorruptivel, é o teu peso na tua medida. assim te reges, assim das o exemplo a nós que sabemos mais por causa de ti, e assim nos tornamos maiores.

és tanto de sol. e um dia vais perceber na medida da tua verdade, que VIVER É SER AMADA (sem pesos)


...."tens de acender a lampada, tens de ser capaz, de dar ao mundo muita luz, para poderes viver em paz. QUEM QUER VINHO? nós (claro)"


my baby j. obrigada por tu assim.luv u.


quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

MAE, TOME A LUA

Domingo. E a mão no bolso.
- mãe, olhe o que encontrei e lhe trouxe.
- mostre meu amor
- encontrei 1 bocado de lua no chão. apanhei e é para si.
-obrigada Duarte..que maravilha de bocado de lua.
- é um bocado de pedra de lua, mãe, é preciosa.
é por isto que também as vezes não caibo em mim.

QUERES? TOMA.

queres 1 abraço? toma é teu
queres 1 beijo? toma é teu
queres mais o quê?
EU SEI O QUE EU QUERO, É QUE A TI NADA TE FALTE.
QUASE TUDO É GRATUITO. AINDA POR CIMA PORQUE O QUE DÉMOS, DE CERTA FORMA É SEMPRE NOSSO. PORQUE NÓS SOMOS DO MUNDO, E O MUNDO TAMBÉM É NOSSO.

familias sao naçoes, sem fronteiras.


Call it a clan, call it a network, call it a tribe,call it a family. whatever you call it whoever you are, you need one.

passa o tempo.

as vezes quero agarrar o tempo, para que ele nao passe. como se congelasse os dias e os multiplicasse em aumento de carga, elastica.
mas assim não é. e assim não posso. agarro as memorias que me enchem e esvaziam. me contentam porque sao minhas, e resultaram do que me foi dado viver.
ter presente o presente, como um presente.
paradoxo este..se as memorias são a traduçao do que nos foi dado viver, é bom mesmo que o tempo então não pare. vai tudo parar a ti.